Todos de Pé Para Perry Cook

Título: Todos de Pé Para Perry Cook.

Autor: Leslie Connor.

Editora: HarperCollins Brasil.

Páginas: 288.

Skoob

Perry Cook, aos 11 anos, só conheceu uma casa: o Instituto Penal Misto Blue River. Mas apesar de ter nascido e sido criado em uma penitenciária, ele não deseja viver em nenhum outro lugar; lá ele tem a mãe, a benevolente diretora e um grupo de prisioneiros divertidos e bondosos que lhe ensinam lições valiosas todos os dias. Quando, porém, o novo promotor descobre a permanência irregular de Perry em Blue River, ele resolve libertar o menino, mesmo contra a vontade dele. Em sua jornada para se reunir com a mãe, Perry vai mergulhar não só em uma investigação sobre o crime que a levou à prisão mas também em uma jornada emocionante e divertida, perfeita para fãs de Extraordinário e O menino do pijama listrado.

Todos de Pé para Perry Cook conta uma linda história sobre um garoto que foi criado na prisão, isso porque sua mãe, Jessica foi presa numa penitenciária de segurança mínima enquanto estava grávida. Pela realidade daquele instituto penal na pequenina cidade de Surprise, a diretora Daughrty mexeu os pauzinhos e fez com que Perry fosse criado ao lado da mãe, mas sempre tendo direito à educação e lazer, afinal, ele não havia cometido nenhum crime. Anos depois, o promotor público VanLeer que assumiu os casos de diversos residentes acabou descobrindo essa irregularidade e resolveu levar o garoto para sua casa. Perry teria muito a enfrentar com as mudanças e a possibilidade da condicional de sua mãe, mas teria sua melhor amiga ao seu lado: Zoey, a enteada de VanLeer.

Leslie Connor nos apresenta diversos personagens, sendo a maior parte deles, residentes do Instituto Penal Misto Blue River, alguns importantes, outros menos, mas todos contribuem de alguma forma para a vida de Perry no presídio, pois são a sua família. Um dos personagens mais memoráveis é Big Ed, que sempre está ao lado de Jessica e de Perry quando as coisas ficam ruins.

Agora vamos para o opinião, não é mesmo? O livro é extremamente maravilhoso, ponto. Ganhou as cinco estrelas no skoob e o meu coração junto. Quando se trata de uma história sobre crianças, meu coração já fica meio mole, e com este não foi diferente. A narração me lembrou bastante o livro Quarto, já que ambos são narrados pelas personagens infantis.

O tema abordado pela autora é bastante delicado, e não apenas pela parte do garoto que cresceu na prisão, mas uma questão delicada sobre a criação e sobre a certa sujeira entre os promotores. Uma outra situação muito interessante é o fato de Perry não querer sair da penitenciária. Aquela foi a sua única casa por onze anos e os residentes, sua família.

É óbvio que Perry sofre algumas discriminações pela sua “condição”, mas tudo se resolve como só os livros podem resolver problemas, e de quebra, nós também ficamos sabendo do caso de vários dos residentes, alguns, presos injustamente. A história mais impactante para mim não é nem a de Jessica, mas de Big Ed, que me fez chorar junto com ele enquanto contava. Por falar em lágrimas, muitas rolam nos capítulos finais da história, então não diga que eu não avisei!

Sobre a edição, a editora HarperCollins Brasil está de parabéns. As folhas são amareladas, as letras estão num tamanho confortável para leitura e a capa é simplesmente maravilhosa, não muito cheia de elementos porém evidencia bastante da história, como o coração do garoto com as marcas de dias contados, provavelmente fazendo uma referência ao tempo que ele ficou longe de sua mãe e amigos. Super indico o livro para os que gostam de O Menino do Pijama Listrado e Quarto, pela abordagem de uma visão mais infantil e temas sensíveis.

“Não consigo mais suportar. Saio de baixo da mão de VanLeer para dar um abraço enorme na mamãe. Em seguida, vou até Big Ed e a diretora, que não se apressa e cantarola enquanto me abraça. Troco um high five com Super-Joe. Ele me puxa para um abraço rápido e desajeitado. Depois, eu abraço mamãe de novo. Por mais tempo. Ela está tremendo, mas não vai chorar. ‘Essa é a minha equipe’, penso.” – Pág. 48

May the Force be with you. That’s all, Folks!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A Autora

Prazer, Bianca “Bia” Caroline, tenho 21 anos, sou Carioca e estudante de Biblioteconomia (e jornalismo nas horas vagas). Por aqui vocês vão ver algumas resenhas e dicas de coisas que eu gosto, como filmes, séries, livros, música e um pouquinho sobre mim, além de alguns posts especiais feitos com muito amor para todos os públicos.

Redes Sociais UCP
Skoob
Blogagens Coletivas
Desafios